Zé Ricardo vê “momento sensível” do Inter, mas alerta: “Não temos que arrumar desculpas”

Abatido, o técnico Zé Ricardo classificou como “sensível” o momento vivido pelo Inter após mais uma derrota no Campeonato Brasileiro. Com o revés diante do Ceará no Castelão pelo placar de 2 a 0, na noite desta quinta-feira, o Inter chegou ao terceiro jogo sem vitória e viu aumentar a distância para a zona de classificação para a Libertadores.

Em sua fala, o técnico disse que a equipe vive um “momento sensível”, mas frisou que não é mais o momento de ficar arrumando desculpas. “A partida deixou a desejar. Apenas em alguns momentos conseguimos cumprir com o plano de jogo. Precisamos levantar a cabeça e olhar para frente, porque o campeonato continua”, frisou.

PUBLICIDADE

Segundo o comandante, a equipe está “sentindo muito”, e admitiu que não vem produzindo o suficiente, com apenas momentos bons que não se sustentam durante as partidas, sem produção e volume de jogo. “Desde a perda da Copa do Brasil, o time sentiu bastante. Mas precisamos recuperar o emocional, mesmo sabendo que é difícil”, destacou.

Ele aproveitou para convocar o torcedor para a próxima partida. Em casa, o Colorado tentará buscar a recuperação diante do Fluminense, no domingo, às 16h, no Beira-Rio, em jogo válido pela 32ª rodada da competição. “Queria chamar o torcedor para todos fazermos força por um jogo melhor no domingo”, pediu.

Desde que chegou, Zé Ricardo encontrou uma sequência de jogos na quarta e no domingo, na reta final do Brasileirão, destacando que o tempo não permite que se trabalhe de forma ideal antes de uma partida. “Tentamos uma formação um pouco diferente, com o D’Alessandro mais flutuante. Em alguns momentos conseguimos, mas não foi o suficiente para ter volume de jogo”, lamentou.

Com o empate, o Inter caiu para a 8ª posição no Brasileirão, estacionando nos 46 pontos e deixando a zona de classificação para a Libertadores. Viu, com isso, a distância para o G4 aumentar para 7 pontos, com a vitória do Grêmio sobre o CSA por 2 a 1.
Fonte:Correio do Povo

Comentários

Comentários

« Voltar