Morrissey causa controvérsia ao abrir o jogo sobre sua vida pessoal em autobiografia

Morrissey causa controvérsia ao abrir o jogo sobre sua vida pessoal em autobiografia

Mal chegou às livrarias britânicas e a autobiografia de Morrissey já está dando o que falar. Um dos pontos abordados é a sexualidade ambigua do cantor. Ele confirma que sente “falta de interesse” pelas mulheres e que não havia vivido uma “relação séria” até chegar aos 30 anos de idade.

A obra, chamada simplesmente de “Autobiography”, traz passagens da adolescência e da fase com a banda The Smiths. Apesar de revelar detalhes sobre sua vida íntima, o músico de 54 anos mantém o tom de ambiguidade sobre sua sexualidade. Morrissey afirma que viveu apenas uma grande história amorosa com o fotógrafo Jake Owen Walters, quando “pela primeira vez” em sua vida “o eterno ‘eu’ se transformou em ‘nós’, já que estava finalmente “conectado com alguém”.

Segundo o jornal “The Guardian”, há algumas surpresas, como a revelação de uma breve participação em uma telenovela britânica quando ainda era criança e a convicção de que teria sido vítima de uma “tentativa de sequestro”, em 2007, no México.

Sobre o período cantando no Smiths, Morrissey revela que, inicialmente, não gostava de uma das faixas mais famosas da banda, “There is a light that never goes out”. Ele sugeriu a Johnny Marr que a deixassem de fora do álbum “The queen is dead”. “Estar errado é um alívio, frequentemente”, ele escreve.

Comentários

Comentários

« Voltar